PROGRAMAÇÃO

08.11 – SEGUNDA 

 

06h00 –  Praça do Forró, Estação de São Miguel, Capela histórica.

São Miguel numa manhã enlivrarada  

São Miguel amanhecerá forrado de livros para todos os gostos e todos os leitores, nos bancos, na praça, na igreja e na estação. É a abertura do nosso Festival do Livro e da Literatura: livros frutos, livros dádivas, livros no caminho. A literatura saúda as pessoas logo de manhã.   

 

9h30 – site

Abertura FELILI.2021

Show Estrada 6.5 de Edvaldo Santana 

Edvaldo Santana é compositor, cantor e produtor musical. formou os grupos Caaxió e Matéria Prima. O primeiro disco, homônimo, foi lançado em 1975. A amizade com Tom Zé o aproximou ao pessoal da chamada Vanguarda Paulistana. Integrou o Movimento Popular de Arte (MPA), compôs com Akira Yamasaki, Itamar Assumpção, Paulo Leminski, Tom Zé, Haroldo de Campos e Arnaldo Antunes. Em 1993, lançou o primeiro álbum solo, Lobo Solitário. Desde então, são 8 discos solo mais coletâneas e participações especiais. 

Link: https://www.facebook.com/felili.sm

 

11h00 – Entrevista com Lenildo José da Silva – Educação e Literatura

Entrevistadores: Escobar Franelas – Bianca Machado

Pernambucano de Recife, Lenildo é professor de Língua Portuguesa e Literatura da rede pública e particular de ensino. Participou  de várias antologias como “Brainstorm”, “Grandes Poetas da Atualidade”, “O conto” e “A crônica” – da coleção – A prática da escrita”, “Projeto Zapping”, “Expresso 600”, “Falando de Amor”, “Diversos”, “Mosaico”, “Miro Marioto – um maluco e outras belezas” etc. Além de  “contos do Belengue”, o autor publicou recentemente o livro “Um adolescente no asilo” (Editora Viseu).

Link: https://www.facebook.com/felili.sm

14h00 – Cada livro, uma história

(Contação de História com Mariana Pitta)

Livro do dia: GUAYARÊ, O MENINO DA ALDEIA DO RIO

A história: O que é um adulto para você? Para o povo maraguá, uma criança se torna adulta entre os treze e quinze anos de idade. Essa passagem é celebrada com rituais que já são uma tradição da tribo. No livro de Yaguarê Yamã, o menino Guayarê, de apenas sete anos, vai lhe contar esse e outros costumes da tribo maraguá: como organizam suas atividades do dia a dia, a vida às margens do rio Abacaxis e o modo como se divertem em meio à natureza.

Yaguarê Yamã é escritor, ilustrador, professor e artista plástico indígena nascido no Amazonas. Filho do povo Maraguá, formou-se em geografia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Autor de onze livros infantis e juvenis, Yaguarê fala, além do maraguá, seu idioma nacional, o Nhengatu (tupi moderno), o tupi antigo e o português. Yaguarê atualmente mora na aldeia Yaguawajar, na área indígena Maraguapajy, no rio Abacaxis.

Link: https://www.youtube.com/channel/UCBTNwvrAymHW4XpZtI5l1MA

 

15h00 – CIA. DAS LETRAS APRESENTA: 

Literatura afro-latino-americano e suas nuances

Sinopse: Uma conversa sobre questões de negritude e literatura a partir das obras “Por um Feminismo afro-latino-americano, de Lélia Gonzalez, “Uma história feita por mãos negras”, de Beatriz Nascimento e “Torna-se negro”, de Neuza Santos Souza. Os temas serão debatidos por Flávia Rios, Alex Ratts e William Pena. Mediação: Escobar Franelas.  
Flavia Rios professora da Universidade Federal Fluminense (gso/uff), coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa Guerreiro Ramos, o Negra, e pesquisadora do Afro — Núcleo de Pesquisa sobre Raça, Gênero e Justiça Racial do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Doutora pela Universidade de São Paulo, foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Visiting Student Researcher Collaborator na Universidade de Princeton. Membro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), da Latin American Association (Lasa) e da Sociedade Brasileira de Sociologia (sbs), onde atua na área de relações raciais. Coautora de Lélia Gonzalez, o primeiro livro já publicado sobre a trajetória de vida da autora.
Alex Ratts é graduado em Arquitetura e Urbanismo(UFC, 1988), especialista em Geografia (UFC, 1990), mestre em Geografia Humana (USP, 1996) e doutor em Antropologia Social (USP, 2001). É professor na Universidade Federal de Goiás (UFG), coordenador do Núcleo de Estudos Africanos e Afro-Descendentes (NEAAD/UFG) e do Laboratório de Estudos de Gênero, Étnico-Raciais e Espacialidades do Instituto de Estudos Sócio Ambientais da Universidade Federal de Goiás, Coautor de Lélia Gonzalez, o primeiro livro já publicado sobre a trajetória de vida da autora. (LaGente/IESA/UFG).
William Pena  é psicólogo, mestre e doutorando em psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFF. Escreveu a dissertação de mestrado Escrevivências das memórias de Neusa Santos Souza: apagamentos e lembranças negras nas práticas de psis.
Link: https://www.facebook.com/felili.sm

 

17h00 – Itau Social apresenta: Yaguarê Yamã

(Projeto Jenipapos)

Jenipapos - Redes de Saberes é uma iniciativa do Itaú Social, em parceria com a MINA Comunicação e Arte, coordenada por Isabella Rosado Nunes e Maurício Negro, que contou com a consultoria do professor e escritor Daniel Munduruku. Serão 3 encontros com o propósito de destacar a literatura de autoria indígena, impregnada de tradições e atualizações, a partir da valorização da história contada que se manifesta em diversas dimensões: educação, cultura, memória, natureza, meio ambiente, ética, entre outras; incluindo os conhecimentos, perspectivas e práticas dos povos originários.  Neste encontro, o professor e escritor Yaguarê Yamã dará uma aula básica do Nheengatu, conhecida como a língua geral da Amazônia.

Yaguarê Yamã Yamã é escritor, ilustrador, professor e artista plástico indígena nascido no Amazonas. Filho do povo Maraguá, formou-se em geografia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Autor de onze livros infantis e juvenis, Yaguarê fala, além do maraguá, seu idioma nacional, o Nhengatu (tupi moderno), o tupi antigo e o português. Yaguarê atualmente mora na aldeia Yaguawajar, na área indígena Maraguapajy, no rio Abacaxis. 

inscrições: https://polo.org.br/multiletramentos/percurso/211/jenipapos-redes-de-saberes

  

19h00 – Dando ideias. 

Tema: O livro como produto

Convidado: Eduardo Lacerda

Eduardo Lacerda é poeta, produtor cultural e editor. Cursou Letras na USP. Trabalhou como produtor cultural na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura e no Programa São Paulo: um Estado de Leitores. É proprietário do Patuscada - Bar, livraria e café. Editor do Jornal O Casulo e Editor da Editora Patuá.

Link: https://www.facebook.com/felili.sm

 

20h00 – EDITORA D3 apresenta: Redação do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM 

Mediação: Prof Marcos Roberto dos Santos  

Sinopse: Uma oficina sobre técnicas de construção de redação, sobretudo para o ENEM. Dicas de produção de texto, atribuição de notas e outros detalhes que podem fazer a diferença na nota final da avaliação.

Marcos Roberto dos Santos é escritor formado em Letras e Pedagogia. Mestre em ciências da Educação, também é professor universitário e coordenador de curso. 

Link:  https://www.youtube.com/channel/UCiQRxu0gju1fUTVr3mPdbPA 

 

20h15 – Papos e Pontes

Tema: Escritores na sala de aula 

Convidados: Petrúcia Sabatina e Márcia Barbieri. 

Ponte: Éder Lima.  

Márcia  Barbieri Professora e escritora formada em Letras (Unesp) e mestra em Filosofia (Unifesp). Participou de antologias e revistas literárias; idealizadora do Coletivo Púcaro, do canal Pílulas Contemporâneas e do projeto Pinot Noir Literatura. Publicou os livros “O exílio do eu ou a revolução das coisas mortas” (Appaloosa, 2018),  “Mosaico de rancores” (Terracota, 2013), “A Puta”  (Terracota, 2014/Reformatório, 2020) e “O enterro do lobo branco” (Patuá, 2017). 

Éder Lima Músico. Ativista dos movimentos culturais no início da década de 1980, participou dos grupos Migalhas na Mesa e Matéria Prima. Integrou o Movimento Popular de Arte (MPA), coordenou a Casa de Cultura de Guarulhos.

Petrúcia Sabatina professora de Língua Portuguesa da rede Municipal e Estadual de SP, formada pelo CEFAM (Centro Específico de Formação e Aperfeiçoamento do Magistério) e Letras na Unesp. Trabalhou como professora/coordenadora e orientadora educacional na cidade de Franca por 10 anos. Na rede municipal de São Paulo, é professora orientadora de sala de leitura e de língua portuguesa, desenvolvendo vários trabalhos com escritores parceiros da escola pública.

Link: https://www.facebook.com/felili.sm

 

22h00 – Músicas e Cenas Literárias

Artista: Uma Luiza Pessoa

Apresentação: Cantadeira 

Resumo: Em Cantadeira, Uma Luiza Pessoa revisita seu repertório autoral, destilando seu lirismo sonoro que une ancestralidade, luta pela diversidade e pelos direitos, e a plenitude existencial. 

Luiza Pessoa é cantadeira e compositora de São Paulo que usa o canto como instrumento de enfrentamento para abordar a vivência enquanto mulher trans e LGBTI+ como no disco "A Casa dos Homens". Participa e colabora com coletivos culturais de São Paulo, co-assina a trilha sonora do espetáculo de dança Memórias Marginais/Núcleo Ximbra e também cria a trilha para o espetáculo Carne de Vaca/Núcleo de Estudos em Corporeidades Negras (2019).

Link: https://www.facebook.com/felili.sm